Quadrinhos | X-MEN CLASSIC OMNIBUS é item imperdível para todo fã do grupo

Por CLAUDIO ROBERTO BASÍLIO

Hoje o relançamento de histórias em quadrinhos antigas em diversos formatos (encadernados de capa dura ou cartão, omnibus e até mesmo por meios digitais) é a coisa mais comum do mundo, mas nos anos oitenta a Marvel e a DC ainda estavam engatinhando nesse sentido.

| X-MEN: O FILME inaugurou nova era dos super-heróis no cinema

O esquema de republicação de uma determinada fase de um herói/grupo ou de uma minissérie em uma única edição somente se estabeleceu de forma definitiva graças a dois fatores: a consolidação do chamado Mercado Direto dos Quadrinhos e o sucesso avassalador dos relançamentos em encadernados de Watchmen e O Cavaleiro das Trevas na segunda metade dos anos oitenta.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Antes disso só havia duas maneira do jovem e ávido fã ter acesso a aventuras antigas dos seus personagens favoritos: ou ele corria atrás do de gibis velhos e usados em comic shops ou então rezava para as editoras reimprimirem elas em novas edições simples. E por acaso do Destino foi isso que aconteceu com os X-Men!

Em 1986 o gibi dos pupilos do Professor Xavier era o best-seller do mercado e havia uma geração de leitores que não viu em 1975 o surgimento da segunda geração X-Men, que tinha heróis como Wolverine, Noturno, Tempestade e Colossus. Para atender esta demanda, em 1986 a Marvel botou na praça Classic X-Men, revistinha que trazia essas aventuras antigas dos mutantes, mas… apenas reimprimir estas aventuras não era o suficiente.

Além de novas capas (criadas por artistas como Arthur Adams, Steve Lightle, Kerry Gammill, Mike Mignola e muitos outros), Classic X-Men trazia sempre histórias curtas, que visavam dar mais sentido e completude para a história principal antiga.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

Inicialmente elas eram produzidas por Chris Claremont e pelo genial desenhista britânico John Bolton. Porém, com o passar do tempo outros artistas participaram da festa, como Rick Leonardi, Ann Nocenti, Kyle Baker, Jim Fern. Aliás, foi justamente em uma dessas histórias curtas que o tal do Jim Lee (você o conhece, né?) fez a sua estreia no Universo Mutante!

Todavia… Chris Claremont (o grande responsável pelo sucesso dos X-Men) era um cara meio chato e perfeccionista, e a aproveitou a “deixa” de Classic X-Men para modificar as antigas histórias dos mutantes, reescrevendo vários dos diálogos originais e, muitas vezes, solicitando o acréscimo de novas páginas a elas.

E aí somos obrigados a falar de X-Men Classic Omnibus, um tijolo que, além de colecionar as histórias curtas originalmente publicadas em Classic X-Men, também destrincha todas as modificações feitas por Claremont e companhia nas aventuras setentistas dos mutantes. Não é aquela leitura “fundamental”, mas é um item muito interessante (e eu diria até obrigatório!) se você é fanático pelos personagens.

A imagem pode conter: 1 pessoa
Nenhuma descrição de foto disponível.

CLAUDIO ROBERTO BASÍLIO é analista de sistemas nas horas vagas e colecionador de quadrinhos em tempo integral, ainda encontra um tempo para participar da organização da Santos Comic Expo, principal de quadrinhos do Litoral Paulista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s