INFILTRADO NA KLAN (BlacKkKlansman, 2018): Spike Lee filma história real dos anos 70 para falar do presente

Por ANDRÉ AZENHA

Diz o clichê que tomou conta da imprensa especializada à época: Infiltrado na Klan era o retorno do grande Spike Lee à boa forma. Não concordo muito com esse tipo de afirmação. Como se artistas fossem atletas, competidores. É o filme mais emblemático dele nos últimos tempos, sim. Mas o cineasta jamais perdeu a verve crítica, a lucidez ao tratar de temas densos.

No caso, ele narra a história real de Ron Stallworth (John David Washington, filho do astro Denzel Washington), que se infiltrou na Klu Klux Klan durante os anos 70. Ele conversava por telefone com o diretor da organização racista, David Duke (o mesmo que identificou em Jair Bolsonaro alguém “dos seus”), vivido por Topher Grace. Quando convocado a ir nas reuniões do grupo, foi substituído pelo colega branco Flip Zimmerman (Adam Driver, o Kylo Ren de Star Wars). Na vida real, essa investigação evitou diversos atentados.

John David Washington and Laura Harrier in BlacKkKlansman (2018)

A trama acompanha ainda a relação de Ron e a ativista do movimento negro Patrice (Laura Harrier, a Liz de Homem-Aranha de Volta ao Lar, demonstrando versatilidade enquanto intérprete). O filme toma algumas liberdades, principalmente no ato final.

Spike Lee escreveu o roteiro junto a Charlie Wachtel, David Rabinowitz e Kevin Willmott e partir do livro assinado pelo próprio Ron. Destila ironia, humor ferino, para criticar a hipocrisia, o preconceito e, apesar de tratar de algo ocorrido há décadas, traça um poderoso paralelo com o mundo atual, tomado por políticos nacionalistas, preconceituosos e que chegam ao poder graças à parte da população que se revela igualmente intolerante.

Topher Grace in BlacKkKlansman (2018)

Infiltrado na Klan tem entre os produtores o ator e diretor Jordan Peele, do excepcional Corra! (2017). É, acima de tudo, retrato do momento do planeta, da ignorância. Traz elenco afiado: Alec Baldwin faz Dr. Kennebrew Beauregard, o veterano das telinhas Robert John Burke (Law & Order: Special Victims Unit) é o chefe de polícia Bridges. Por sinal, o protagonista encontra dificuldades dentro do departamento onde trabalha. Há o racismo implícito, velado.

David Duke chegou a ser deputado na Luisiana. Votou duas vezes contra o projeto que transformava o aniversário de Martin Luther King em dia festivo no estado. Em 2002 seria condenado por fraude e evasão fiscal. Mas a cegueira por parte de alguns é tanta que o sujeito seguiu em atividade. Em 2017 estava no “protesto” de grupos supremacistas brancos em Charlottesville. Infiltrado na Klan encerra com imagens de arquivo chocantes, que nos lembram: por mais que passos sejam dados a um mundo melhor, sempre surge alguém para remar contra, para impor o ódio, a segregação. Por isso, o filme de Spike Lee é tão necessário. Nos reforça: a luta nunca termina.

Recebeu o Oscar de roteiro. O único da carreira de Lee. Tremenda injustiça. Foi o melhor filme de 2018.

Infiltrado na Klan
BlacKkKlansman
2018. EUA.
Direção: Spike Lee.
Com John David Washington, Adam Driver, Laura Harrier, Topher Grace, Alec Baldwin, Robert John Burke.
135 minutos.

Michael Buscemi, Ken Garito, Topher Grace, John David Washington, and Adam Driver in BlacKkKlansman (2018)
John David Washington in BlacKkKlansman (2018)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s