UM BEIJO ROUBADO (My Blueberry Nights, 2007) e os (des)encontros do amor

O cineasta chinês Wong Kar-Way é especialista em filmar liricamente a solidão e os desencontros do amor. Foi assim nos belos Amor à Flor da Pele (2000) e 2046: Os Segredos do Amor (2004). Seu primeiro filme em inglês, Um Beijo Roubado, vai pelo mesmo caminho, e conta com um ótimo elenco.

Nova York. Jeremy (Jude Law) administra um pequeno café e restaurante. Elizabeth (a cantora Norah Jones, estreando no cinema) descobre que seu namorado esteve com outra mulher no local. Ela rompe o namoro e deixa suas chaves com Jeremy, caso seu ex-namorado as queira de volta. Elizabeth retorna ao café várias vezes e ambos iniciam uma amizade – os dois perderam amores, cada um de uma maneira, e encontram um no outro, uma válvula de escape, algo em comum no meio de uma metrópole onde muitas pessoas sentem-se solitárias.

Em busca de redenção, ela parte numa viagem pelos Estados Unidos e depara-se com situações mais desesperadoras que a sua, e passa a enviar cartões postais ao novo amigo, sem nunca dizer onde exatamente está.

Pelo caminho, conhece o policial Arnie Copeland (David Strathairn, de Boa Noite Boa Sorte), que se tornou alcoólatra por não aceitar o fato de Sue Lynne (a maravilhosa Rachel Weisz), sua esposa, tê-lo deixado. E testemunha o trágico desdobramento desta separação. Em Nevada, conhece Leslie (Natalie Portman), expert em pôquer. Todas essas pessoas têm situações dramáticas que precisam ser resolvidas.


O filme é um bonito road movie sobre a solidão americana, muito bem embalado por um visual caprichado, e por mais que o desfecho possa parecer óbvio demais e as resoluções do roteiro para os inúmeros casos sejam resolvidas de forma rápida, impossível não apreciar uma obra cinematográfica que tenha duas das mulheres mais talentosas e lindas do mundo, Rachel Weisz e Natalie Portman (ótimas em suas respectivas interpretações), e agora, Norah Jones. A cantora estreou como atriz com o pé direito, cuja atuação simples, de feições econômicas, casou perfeitamente com seu papel de observadora. Strathairn, como de costume, também se saiu muito bem e Jude Law marca presença com carisma. Atentem ainda para a ponta da cantora Cat Power como ex-namorada russa de Law.

Merecem elogios também a fotografia de Darius Khondji (Se7en) e a trilha musical repleta de blues e jazz de Ry Cooder (Paris, Texas). Além disso, Kar-Way preenche as lacunas do longa com sua marca registrada: cores dessaturadas, slow motion, pequenos close ups e referências que somente os mais atentos irão perceber: o café pertencente a Jeremy chama-se Klyuch. Trata-se da palavra “chave” em russo. As chaves, por sinal, simbolizam a possibilidade das pessoas terem a chance de voltar à vida de alguém ou estarem com as portas fechadas para isso. Já o título original, My Blueberry Nights (Minhas Noites de Bluberry) é uma comunhão da torta de mirtilo (blueberry) adorada pela protagonista e a tristeza (blue) dos personagens. Também é perceptível a intenção de focalizar o sorvete de baunilha derretendo, como metáfora para os amores não correspondidos que se despedaçam aos poucos.

Talvez não seja o melhor trabalho de Kar-Way, mas não dá para negar a beleza e a poesia da obra. Eu me apaixonei por este igual aos filmes anteriores do diretor.

Um Beijo Roubado
My Blueberry Nights
Hong Kong, EUA, 2007.
Direção: Wong Kar-Way.
Com Jude Law, Norah Jones, Natalie Portman, Rachel Weisz, David Strathairn.
90 minutos.

My Blueberry Nights (2007)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s