LA BAMBA (1987) e a representação latina em Hollywood

La Bamba, a música, está na vida de todos nós. Dificilmente alguém, em algum momento, não dançou, em casamentos, festas retrô, aniversários, ao som do rock cantado por Ritchie Valens. A versão gravada pelo músico transformou em rock a música folclórica mexicana cujo primeiro registro fonográfico data de 1939, em melodia de El Jarocho e batizada El Jarabe Veracruzano.

La Bamba, o filme de 1987, ajudou a popularizar ainda mais a faixa no Brasil, graças ás incansáveis reprises em Sessões da Tarde e afins. O impressionante é trata-se de uma tragédia baseada em fatos: a história de Valens, vítima aos 17 anos de acidente aéreo na companhia de outros dois roqueiros em ascensão – Buddy Holly e The Big Bopper – e do piloto Roger Peterson.

O episódio ficou conhecido por “O Dia em que a Música Morreu” devido à música American Pie, de Don McLean, lançada em 1972 e posteriormente regravada por inúmeros artistas a exemplos do mexicano Francisco Colmenero e por Madonna, em adaptação pop dance para promover o filme Sobrou Pra Você (The Next Big Thing, 2000), sem muitos dos versos originais.

Diz a letra:

“Eu ainda consigo me lembrar
Como aquela música me fazia sorrir
E sabia que se eu tivesse minha chance
Eu poderia fazer aquelas pessoas dançarem

E, talvez, elas seriam felizes por um momento
Mas fevereiro me fez tremer
Com cada jornal que eu entreguei
Más notícias na porta

Eu não podia dar mais nenhum passo
Eu não consigo lembrar se eu chorei
Quando eu li sobre a viúva dele
Mas algo me comoveu profundamente

O dia que a música morreu.”

Elizabeth Peña and Lou Diamond Phillips in La Bamba (1987)

Tragédia, ainda por cima real, não era algo que costumávamos debater na escola durante os anos 80 e começo dos 90. Época de filmes de ação hiperbolizados, sujeitos fortões, exércitos de um homem só, garotas inesquecíveis. Mas em La Bamba algo me chamava atenção: eu, garoto nerd, eterno romântico, escrevendo poesias para as meninas do colégio que sonhava, um dia, namorar.

Era justamente o amor aparentemente impossível entre Ritchie (Lou Diamond Phillips), de origem mexicana, e Donna Ludwig (Danielle von Zerneck), branca, loira. Os pais dela não aceitavam a relação entre a filha e alguém de outra etnia. Preconceito infelizmente corriqueiro até hoje. A morte do cantor logicamente chocava. Baita final triste. Entretanto o que me dava esperança e algum afago era o fato do amor ter existido entre eles. De superarem as diferenças.

Valens teve carreira curta. Sua atuação pública durou cerca de seis meses, o suficiente para deixar um tremendo legado à música, ao rock. Um de seus hits é justamente Donna, composto em homenagem à namorada de escola. Os demais sucessos eram Come on let’s go, responsável por alçá-lo ao estrelato, e a canção-título do longa-metragem.

Contexto

Esai Morales and Rosanna DeSoto in La Bamba (1987)

Revisado, La Bamba é cinebiografia competente, tradicional no formato e serve de homenagem a tantos estrangeiros ou descendentes que tentam a sorte na “terra das oportunidades”.

Sim, podemos citar vários nomes de artistas e esportistas de origem latina, europeia, asiática, africana e tantas partes do mundo, bem-sucedidos artisticamente e comercialmente nos Estados Unidos.

Mal podemos imaginar o tipo de sacrifício, de humilhações, as negativas que lidaram, enfrentaram. O preconceito de produtores, empresários, do próprio público ou, no âmbito pessoal, de famílias como a de Donna que não aceitavam e não aceitam relacionamentos de pessoas de etnias, origens, classes sociais distintas. E mesmo assim quando conseguiam ou conseguem algum destaque, são retratados de maneira caricata, precisam fazer concessões. Muito precisou ser realizado até Selena, Gloria Estefan, Shakira ou Jennifer Lopez explodirem, e Alejandro Gonzaléz Iñárritu, Guillermo Del Toro e Alfonso Cuarón ganharem suas estatuetas do Oscar.

A obra chegou aos cinemas dentro do contexto da Hispanic Hollywood: onda de produções do final dos anos 80 realizadas – na maioria das vezes – por profissionais de origem hispânica e retratando temas de seus cotidianos. Exemplos são o drama O Preço do Desafio (Stand and Deliver, 1988, de Ramón Menéndez) e também com Lou Diamond Phillips), a comédia Born in East LA (1987, de Cheech Marin) e a comédia dramática Rebelião em Milagro (The Milagro Beanfield War, 1988), este dirigido por Robert Redford e com a musa brasileira Sonia Braga. Pois é.

Lou Diamond Phillips and Danielle von Zerneck in La Bamba (1987)

Ao escrever sobre Os Aventureiros do Bairro Proibido lembrei a visão torta de produtores hollywoodianos sobre os estrangeiros, colocando, no mesmo balaio, pessoas de nações diferentes. Consideram a mesma coisa japoneses, sul-coreanos, chineses, etc, quando tratam dos asiáticos; etíopes, ganenses, sul-africanos, angolanos, etc, quando tratam dos africanos; mexicanos, equatorianos, colombianos, venezuelanos, costa-riquenhos, cubanos, brasileiros, etc, quanto tratam dos latinos do continente americano. Sonia Braga é brasileira, latina, não hispânica. Está aí, inclusa na Hispanic Hollywod. Existe quem não se incomode. Um pouco de estudo, porém, não faria mal aos produtores e parte do público.

A Hispanic Hollywood, precisamos ressaltar, não foi um ato de inclusão dos grandes estúdios. Após o sucesso de La Bamba, perceberam que estavam perdendo dinheiro ao não retratarem esse universo.

O filme

Logo no início presenciamos dois aviões se chocando. Abaixo está o pátio escolar. Era um pesadelo de Ricardo Esteban Valenzuela Reyes, nome verdadeiro de Ritchie: ele perdera realmente um amigo vítima dessa catástrofe e, desde então, passou a ter medo de voar.

Ricardo nasceu no vale de São Fernando, subúrbio de Los Angeles. A família tirava o sustento trabalhando na colheita de algodão em fazenda da região. O pai era músico. Sua relação com a arte começou aos 11 anos. Acompanhamos os passos do cantor e sua família, a mudança para Pocoima, a escola onde conheceu Donna (Danielle von Zerneck). Vemos muito da relação entre ele, o meio-irmão mais velho Bob (Esai Morales) e a mãe Connie Valenzuela (Rosanna DeSoto). Família, como todas, de altos e baixos, momentos fraternos e brigas. Bob, por exemplo, amava o irmão, mas era ressentido, sentia-se diminuído. Assediou e engravidou Rosie (Ellizabeth Peña).

Californiano descendente de mexicanos, o diretor e roteirista Luis Valdez foi dos pioneiros do Movimento Chicano nos anos 1960, o El Movimiento ou movimento dos direitos civis chicano, semelhante ao Black Power dos negros. Buscava os direitos civis para os descendentes de mexicanos nos Estados Unidos. É um dos criadores do Teatro Campesino (dos agricultores) e desenvolveu, ainda, o teatro e o cinema chicanos.

Lou Diamond Phillips and Danielle von Zerneck in La Bamba (1987)

Profissional importante e respeitado historicamente. Conhece bem a realidade retratada no filme. Recria a época à exatidão, auxiliado pela direção de arte de Vincent M. Cresciman, os figurinos desenvolvidos por Sylvia Vega-Vasquez e Yvonne Cervantes e a decoração de set de Rosemary Brandenburg. Viajamos no tempo.

Realizou um drama sensível, intimista, a ascensão e a morte repentina de um garoto que viveu o sonho momentaneamente. Mas La Bamba é muito sobre as relações humanas, familiares, mostradas de maneira intensa graças ao elenco talentoso, repleto de energia, com atores que nos sensibilizam.

O filipino Lou Diamond Phillips, apesar dos 25 anos no período (é recorrente atores vivem personagens mais novos), mergulha em Ritchie Valens, nos emociona, nos faz torcer, chorar.

Esai Morales, o Bob, é tão bom quanto ou até melhor, chegando a roubar a cena. Bob apoia o irmão mais novo e às vezes se ressente. A mãe, Connie, ganha ótima atuação de Rosanna DeSoto. Mãe que precisa dar atenção aos dois filhos, apoiá-los, não deixar o sucesso de um apequenar o outro. E jamais me esqueci da expressão e do choro de Danielle von Zerneck, a Donna, quando fica sabendo da morte de Ritchie.

Lou Diamond Phillips and Rosanna DeSoto in La Bamba (1987)

Curiosamente o potencial dos atores não se transformou necessariamente em grandes carreiras – ao menos no sentido do estrelado, do sucesso comercial. Danielle atuou pouco desde então, voltando sua trajetória profissional para atrás das câmeras, em produções televisivas.

Lou Diamond Phillips esteve em Os Jovens Pistoleiros (Young Guns, 1988, de Christopher Cain) e a continuação Jovens Demais Para Morrer (Young Guns II, 1990, de George Murphy), dividindo a tela com outras revelações dos anos 80: Emilio Esteves, Kiefer Sutherland, Christian Slater. Este segundo longa era reprisado várias vezes na TV aberta brasileira e trazia a canção Blaze of Glory, do Jon Bon Jovi. Lou Recebeu indicações de ator coadjuvante ao Globo de Ouro por O Preço do Desafio (1988) e de ator em minissérie, ao Emmy, por The Crossroads of History (2016). Mesmo trabalhando frequentemente, as chances são como coadjuvante em filmes B ou séries televisivas.

Elizabeth Peña, a Rosie, alcançou prêmios e trabalhou durante um bom tempo, no cinema, na TV e na literatura. Esai se enveredou pela televisão e viveu o mercenário Exterminador/Slade Wilson na série Titãs, baseada nos personagens dos quadrinhos da editora DC Comics.

La Bamba é e sempre será lembrado com carinho. Vale reforçarmos algumas situações dos bastidores e da produção.

Quando vemos a versão folclórica tradicional da música-tema, estamos presenciando os Los Lobos, responsáveis por todas as músicas de Ritchie Valens no filme. O guitarrista David Hidalgo emprestou sua voz quando Lou Diamond Phillips aparece cantando.

Segundo Phillips, no documentário The Day The Music Died (1999, de Gay Roshental), a irmã de Ritchie estava no set no dia em que gravou a cena do “sorteio”, na qual o jovem cantor ganha a chance de voar com Buddy Holly e The Big Bopper, enquanto outro músico acaba indo de ônibus. Ela chorou copiosamente ao presenciar as filmagens.

American Pie, a música do início do texto, foi composta em homenagem a Buddy Holly. La Bamba vez ou outra é comparado ao filme sobre a vida do roqueiro de óculos, A História de Buddy Holly (The Budy Holly Story, 1978, de Steve Rach).

A obra de Valdez é mais fiel aos fatos: enquanto em A História de Buddy Holly sugere que o ônibus quebrou e os músicos precisam pegar o avião, na verdade Holly ficou sem roupa limpa e queria tempo para ir à lavanderia antes do show da noite seguinte.

Lou Diamond Phillips and Danielle von Zerneck in La Bamba (1987)

Tem até referência cinéfila. Quando Ritchie e Donna se beijam em um cinema drive-in, o longa exibido é Um Corpo Que Cai (Vertigo, 1958), clássico de Alfred Hitchcock.

“Este é um bom filme pequeno, doce e sentimental, sobre uma criança que nunca teve a chance de mostrar suas coisas. As melhores coisas são as mais inesperadas: os retratos da vida cotidiana, de uma mãe amorosa, de um irmão que o ama e se ressente, de uma criança crescendo e experimentando fama e deixando todo mundo parado no funeral chocado que sua a vida terminou exatamente como parecia estar começando”, escreve o crítico de cinema Roger Ebert.

O mestre da crítica de cinema não poderia ser mais certeiro. A obra custou cerca de US$ 6,5 milhões e arrecadou mais de US$ 54 milhões. Recebeu indicações ao Globo de Ouro em Melhor Drama e, ao Grammy, para Melhor Música (La Bamba). Obteve elogios da crítica especializada. Muito mais importante é ter registrado a vida e obra, apesar de curta, de um talento meteórico e um dos pioneiros do rock (ao lado de Buddy Holly, Eddie Cochran, Elvis Presley, Chuck Berry, Little Richard) com uma história universal sobre família, amor, sonhos, representatividade e superações.

La Bamba
Estados Unidos. 1987.
De Luis Valdez.
Com Lou Diamond Phillips, Esai Morales, Rosanna DeSoto, Elizabeth Peña, Danielle von Zerneck, Joe Pantoliano, Rick Dees, Marshall Crenshaw.
108 minutos.

O verdadeiro Ritchie Valens.
Os verdadeiros Ritchie Valens e Donna Ludwig.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s